Páginas

sábado, 4 de janeiro de 2020

O MELHOR DE 2019: CONCERTOS



20. “Encruzilhadas”
Orquestra de Jazz de Espinho com Eduardo Cardinho e José Miguel Moreira
Academia de Espinho – Auditório

“(...) Entre as frases musicais de grande riqueza harmónica e os momentos mais “free”, a musica a querer saltar das pautas e a clamar pela grande improvisação, o que de melhor há a reter em “Encruzilhadas” é o entendimento perfeito entre o vibrafone de Eduardo Cardinho e a guitarra de José Miguel Moreira. E não estou a falar de diálogo entre instrumentos, antes duma relação de complementaridade, de cumplicidade única, como se cada um deles vivesse de e para o outro (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/06/concerto-encruzilhadas.html



19. Patxi Andión
Centro de Artes de Águeda

“(...) “Ai quando eu morrer não quero / Nem coroas de cravos velhos / Nem ramos de lírios secos / Que me flagelem os dedos”. Foi assim, em bom português, que Patxi Andión deu início ao concerto, oferecendo a versão do seu poema “33 Versos a Mi Muerte” delicadamente traduzido por José Carlos Ary dos Santos. E foi uma sensação indescritível, aquela voz cava e única a entranhar-se no corpo, a pôr um aperto no peito e um sorriso de felicidade na boca de quem sabe que está com os seus (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/09/concerto-patxi-andion.html



18. Lisboa String Trio
Festival Internacional de Música de Espinho
Biblioteca José Marmelo e Silva (Jardim Interior), Espinho

“(...) “Variações em Ré”, desse enorme compositor que foi Francisco Carvalhinho, foi o primeiro tema interpretado, lançando o concerto numa toada de fado “puro e duro”, Alfama e Mouraria abertas de par em par, os acordes a transportarem-nos para “A Severa”, casa onde o compositor falecido em 1990 muitas vezes terá tocada esta que é uma das suas mais notáveis composições (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/06/concerto-lisboa-string-trio.html



17. Tó Trips & João Doce
WOOL – Festival de Arte Urbana da Covilhã
Escadinhas do Castelo, Covilhã

“(...) Tocadas em sequência, “Danças a Um Deus Desconhecido”, “Baía das Negras”, “Cuca”, “Makumba das Foncas”, “Pedra Lume” e “Migratória”, músicas extraídas de “Guitarra Makaka”, levaram o público a viajar por Bolonha e pelo intenso repicar dos seus sinos num quente final de tarde, a ser “heróis do mar” a caminho do Oriente, a assistir à vingança do forasteiro de “Era Uma Vez no Oeste” sobre um renegado Frank, a viúva Jill McBain à espreita, a dançar em êxtase no terreiro da macumba ou a contemplar do alto Lisboa com as suas sete colinas (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/06/concerto-to-trips-joao-doce.html



16. “Children of the Light”
Ft. Danilo Pérez, John Patitucci e Terry Lyne Carrington
Casa da Música

“(...) Aquilo que, porventura, mais impressiona nestes três enormes músicos é a sua cumplicidade e hegemonia, a sua enorme coesão e audácia. Mesmo nos momentos em que cada um coloca o seu talento ao serviço do conjunto, é possível perceber de que forma a sua identidade musical, a sua marca distintiva permanece intacta (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/03/concerto-children-of-light-ft-danilo.html



15. Ricardo Toscano Quartet
Ovar em Jazz 2019
Centro de Artes de Ovar

“(...) Mantendo bem lá no fundo o fraseado original – e isso é bem patente naquele “fado bailado” que abre o incrível tema que é “Almería”, nas paisagens urbanas de "Lament" ou nas sonoridades de “Grito Mudo”, o voo nas asas do saxofone de Ricardo Toscano a levar-nos à Flórida, ao cenário de “Noites Escaldantes” e a uma Kathleen Turner como nunca se viu -, o agrupamento aplicou-se na reinvenção dos temas e nas suas variações, provando a enorme versatilidade da sua música e exibindo um gozo único na forma como os instrumentos dialogam entre si ou se pronunciam a solo (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/04/concerto-ricardo-toscano-quartet.html



14. Pérez Cohen Potter Quintet
Festival Internacional de Música de Espinho
Auditório de Espinho – Academia

“(...) “Lament for Jojo”, escrito por Chris Potter e baseado numa personagem do romance “Sing, Unburied, Sing”, de Jesmyn Ward, foi um momento de saborosa tranquilidade. O concerto é agora um mar de águas calmas onde Pérez se espraia em notas tímbricas que prolongam a viagem e Cohen e Potter elevam o diálogo entre os respectivos instrumentos a um lirismo arrebatado, o contrabaixo de Grenadier a pontuar o conjunto com os acordes graves do seu contrabaixo. Quanto a Blake, é cada vez mais um caso à parte neste concerto, assumindo-se como um verdadeiro líder (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/07/concerto-perez-cohen-potter-quintet.html



13. Maria João e Orquestra Jazz de Matosinhos “Amoras e Framboesas”,
Ovar em Jazz 2019
Centro de Artes de Ovar

“(...) De “Parrots and Lions” (do álbum “Tralha”, de Maria João e Mário Laginha, publicado em 2004) a “Beatriz”, um tema profundamente poético, escrito por Edu Lobo e Chico Buarque e cantado já no “encore”, foram passadas em revista, com a mesma emoção, paisagens sonoras a variar entre o colorido festivo e o mais profundo intimismo, todas elas intensa e sublimemente interpretadas (…)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/04/concerto-amoras-e-framboesas.html



12. Rui Massena
Centro Cultural de Lagos – Auditório Duval Pestana

“(...) Por caminhos novos e desafiantes, trilhados com rigor, dedicação e paixão, Rui Massena soube conduzir o público ao longo de uma dezena de temas instrumentais, transportando-o, sob as asas do sonho, a lugares da mais pura beleza (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/11/concerto-rui-massena.html



11. “Respeitosa Mente”
Ricardo Ribeiro, com João Paulo Esteves da Silva e Jarrod Cagwin
Casa da Música – Sala Gulhermina Suggia

“(...) “Depois de Ti”, com letra de Tiago Torres da Silva e música de Ricardo Ribeiro, foi o tema escolhido para abrir o concerto e o mínimo que se pode dizer é que, se as coisas se ficassem por aqui, já teria valido a pena a deslocação à Casa da Música. Estou a falar duma pérola, uma composição sublime assente num poema belo e sensível, absolutamente arrebatador (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/05/concerto-respeitosa-mente.html



10. “Aqui Está-se Sossegado”,
por Camané & Mário Laginha
Centro de Artes de Águeda

“(...) Perante uma sala praticamente lotada, Camané puxou da sua voz, do seu enorme talento interpretativo, do fado que carrega consigo e, embalado nas teclas de Mário Laginha, ofereceu momentos sublimes da melhor música e que viriam a causar uma forte emoção no público (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/02/concerto-aqui-esta-se-sossegado-por.html



9. Kronos Quartet
Festival Internacional de Música de Espinho
Auditório de Espinho – Academia

“(...) Mais do que essa curiosa sugestão de “visão turva causada pela forte luz que atinge a retina”, “Zaghlala”, de Islam Chipsy, abriu o concerto com a proposta implícita de uma viagem musical à volta do mundo, da “new wave” da música Shaabi, verdadeira instituição cultural do Egipto, aos “Different Trains” que atravessam a Europa e a América, peça que valeu ao compositor Steve Reich o Grammy para a Melhor Composição Clássica Contemporânea em 1989 (…)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/07/concerto-kronos-quartet.html



8. Yamandú Costa & Orquestra Clássica de Espinho
Festival Internacional de Música de Espinho
Praça Dr. José Salvador, Espinho

“Seguiu-se “Decarisimo”, um tema de Astor Piazolla e que, graças ao talento de Yamandú Costa, mostrou como a música do génio argentino se expande ao novo fado, de tal forma é impossível escutar esta peça sem pensar em Marco Rodrigues, Ana Moura ou António Zambujo (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/07/concerto-yamandu-costa-orquestra.html



7. Stefano Battaglia “Piano Solo”
Ovar em Jazz 2019
Escola de Artes e Ofícios, Ovar

“(...) É uma música densa e austera – síntese esclarecida de estilos e tradições -, cuja eloquência descreve abismos imaginários através do som perfeito: um som ancestral e mágico, sombrio e evocativo, carregado de mil ressonâncias, repleto de tensões. Sobretudo, de jubilosa poesia!”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/04/concerto-piano-solo.html



6. Lula Pena “Archivo Pittoresco”,
Academia de Espinho – Auditório

“(...) Então levantei os olhos e vi, sentados ao meu lado, Chico Buarque, Violeta Parra, Atahualpa Yupanqui, Amália Rodrigues, um trovador medieval e uma ceifeira de Pias. Todos eles escutavam a cantora e a sua música, um sorriso de felicidade desenhado nos rostos serenos e muito belos (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/05/concerto-lula-pena.html



5. Brad Mehldau Trio
Caldas Nice Jazz 2019
Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha

“(...) Prodígio impressionista, Mehldau acerca-se de uma vasta gama de músicas, tornando-as totalmente próprias, isolando um momento ou um tema forte de cada uma das peças, expandindo-o para uma exploração lírica, absolutamente fascinante. A sua abordagem coesa e emocionalmente vibrante a uma variedade tão grande de influências constitui, mesmo para o espectador menos familiarizado com o fenómeno do Jazz, uma experiência refrescante e profundamente catártica (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/10/concerto-brad-mehldau-trio.html



4. Maria Gadú “Pelle”
Misty Fest 2019
Casa da Música

“(...) Em nome do nosso direito de ir e vir, de pensar, de falar, de agir; em nome do nosso direito de estudar, de aprender, de trabalhar, de se aposentar; em nome do nosso direito de votar, de escolher, de mudar de ideia e de lutar; em nome do nosso direito de estar, de permanecer; em nome do nosso direito de cultuar os 305 povos indígenas brasileiros; em nome do nosso direito de cultuar as nossas 274 línguas indígenas brasileiras; em nome dos nossos direitos de casar, de passear por aí com os nossos amores, sem apanhar, sem ser violentado, sem morrer; em nome do nosso divino direito de amar... BOLSONARO, NÃO! (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/11/concerto-maria-gadu.html



3. Carla Bley “Trios”
Auditório de Espinho – Academia

“(...) O concerto abriu com “Copy Cat”, um novíssimo tema dividido em três partes e que se estende por quinze deliciosos minutos, a suavidade do piano a sustentar um saxofone que se desdobra em acordes lânguidos antes de dar lugar a uma seção mais ritmada e melódica, o diálogo entre os instrumentos ancorado no baixo pulsante de Swallow (...)". Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/05/concerto-carla-bley-trios.html



2. “An Evening with Avishai Cohen”
Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música convida Avishai Cohen Trio
Matosinhos em Jazz
Praça Guilhermina Suggia, Matosinhos

“(...) Honrando as suas origens sefarditas, “Puncha Puncha” e “Morenika” foram temas cantados em ladino – uma língua que conserva partes próprias do espanhol medieval final –, num sussurro quente e sensível, a arranhar a alma de todos os presentes. Intimista e de uma enorme beleza, “Kumi Venetse Hasadeh” contrastou com um ritmado “Arab Medley”, fusão de três temas originários do Líbano e da Síria popularizados por Samira Tawfiq e que nos veio mostrar que, por muito grandes que possam ser as diferenças que separam os povos, a música aí está para os unir (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/07/concerto-evening-with-avishai-cohen.html



1. Charles Lloyd “Kindred Spirits”
Guimarães Jazz 2019
Centro Cultural Vila Flor, Grande Auditório

“(...) Neste, como no inicial “Dream Weaver”, em “Zoltan” ou nos restantes temas oferecidos ao público por essa lenda viva do Jazz que dá pelo nome de Charles Lloyd, a nota foi de transcendência. “Kindred Spirits”, concerto de abertura do Guimarães Jazz 2019, foi todo ele um somar de momentos prodigiosos, deixando o vasto e esgotadíssimo auditório do CCVF completamente rendido ao talento e à vitalidade deste “jovem” de 81 anos (...)”. Tudo para ler em https://errosmeusmafortunaamorardente.blogspot.com/2019/11/concerto-charles-lloyd-kindred-spirits.html

Sem comentários:

Publicar um comentário