Páginas

sábado, 16 de junho de 2018

CIRCO CONTEMPORÂNEO: "La Cosa"



CIRCO CONTEMPORÂNEO: “La Cosa”
Direcção e Coreografia | Claudio Stellato
Interpretação | Claudio Stellato, Valentin Pythoud, Mathieu Delangle e Julian Blighy
Cenografia | Nathalie Mautroy
Produção | Nathalie De Backer
Centro de Arte de Ovar
15 Jun 2018 | sex | 22:00


Regressado ao Centro de Arte de Ovar para a sua quarta e última sessão, o “Circo ao Palco” trouxe-nos na noite de ontem Claudio Stellato e o espectáculo “La Cosa”, performance física e coreográfica que aborda a relação do homem com a matéria. Embora tenha nas artes plásticas o seu ponto de partida, “La Cosa” cedo se descarta deste vínculo para fazer do ensaio arquitectural um dos cernes da sua atenção. Ao mesmo tempo, mostra-nos como o manuseamento dos objectos redunda em puro malabarismo e revela-nos, nos movimentos a solo ou do conjunto, coreografias profundamente elaboradas. E apesar disso, “La Cosa” é um espectáculo totalmente inclassificável, que se funda no delicado equilíbrio entre Dança, Teatro e Circo e retira a sua força duma unicidade absoluta entre sujeitos e objectos.

A madeira é o suporte da proposta coreográfica, desempenhando um papel fundamental no desenrolar do espectáculo graças às suas características orgânicas, do odor que emana e perfuma o espaço à musicalidade dos pequenos troncos que se entrechocam ou ao pó que dela se desprende e que paira no ar ou se agarra aos fatos dos actores. Para além dos objectos e das distintas formas de os abordar, o equilibrio instável inerente aos blocos de madeira e a fragilidade das construções fazem com que uma permanente sensação de risco tome conta do espectáculo, mantendo o público em sobressalto constante. E depois há todo um trabalho de pesquisa por detrás de 
“La Cosa” que adequa os gestos do quotidiano ao ritmo e aos métodos da narrativa e que torna o espectáculo num objecto artístico fascinante.

Com uma carreira fortemente ligada às artes circenses, Claudio Stellato transporta para este espectáculo o gosto pelo perigo nessa tentativa de explorar os limites do corpo na sua relação com a matéria. Uma relação aqui profundamente caprichosa face à natureza dos próprios materiais donde resulta uma permanente reinvenção dos movimentos previamente desenhados, uma necessária reinterpretação coreográfica e um exercício de constante improviso. O resto ficará à imaginação do espectador, na certeza de que uns verão um telhado onde outros poderão ver a pilha de lenha pronta para receber os sentenciados da Santa Inquisição. Espectáculo surpreendente de quatro actores e da sua relação com duas toneladas de madeira - que se estenderá ao público no pós-espectáculo, dando um significado mais forte e vivo ao esforço colectivo -, “La Cosa” é um momento de palco absolutamente único, poderoso, emotivo, esteticamente surpreendente e duma exigência física brutal. Brilhante!

[Foto: © 2018 La Cosa / la-cosa.eu/fr/photos/]

Sem comentários:

Publicar um comentário