Páginas

quinta-feira, 21 de junho de 2018

TEATRO: "Mendoza"



TEATRO: “Mendoza”
Ideia original e direcção | Juan Carrillo
Adaptação | Antonio Zúñiga e Juan Carrillo, a partir de Macbeth de William Shakespeare
Interpretação | Marco Vidal, Mónica del Carmen, Erandeni Durán, Leonardo Zamudio, Martín Becerra, Germán Villarreal, Ulises Martínez, Alfredo Monsivais, Roam León y Yadira Pérez
Máscaras | Martín Becerra
Produção | Los Colochos Teatro
Teatro Nacional de S. João
20 jun 2018 | qua | 21:00
FITEI – Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica


Por um lado há “Macbeth”, a mais enigmática tragédia shakespeareana, tendo como ponto de partida o encontro de um obscuro chefe de clã com três bruxas que lhe comunicam três profecias, uma das quais – a de que será coroado Rei da Escócia – despertará nele uma terrível ambição e dará início a uma espiral de violência, loucura e morte. Por outro lado temos a Revolução Mexicana, com início em 20 de Novembro de 1910, que acabou com a longa ditadura de 34 anos do general Porfírio Diáz e gerou o levantamento de líderes revolucionários icónicos como Francisco Madero, Emiliano Zapata ou Pancho Villa. Conjugando a intemporalidade da obra de Shakespeare com o mais marcante acontecimento do México no século XX, Juan Carrillo constrói “Mendoza”, perturbadora metáfora do mundo depravado em que vivemos, onde o bom é mau, o feio é belo e o justo, injusto.

A acção decorre no interior dum quadrado, os adereços reduzidos a algumas mesas e cadeiras, o público sentado em redor, misturando-se com os nove actores em palco. Bebe-se cerveja mexicana (o público também bebe). Tudo o mais é violência, assassinatos, remorsos, bruxarías e mortos que sussurram vinganças. E sangue, muito sangue, neste que é um Macbeth à mexicana, ou seja, uma peça que respeita a estrutura original da obra de Shakespeare e preserva os seus episódios principais, mas com outras palavras e outros referentes, dando a ver a realidade do México de ontem e de hoje (a contagem dos 43 estudantes mortos no massacre de Iguala, em 26 de Setembro de 2014, é um verdadeiro murro no estômago do espectador). Também a poética do texto original é alvo da necessária adequação, cedendo uma boa parte do seu lugar à oralidade do quotidiano - uma linguagem dura e agressiva onde cabe o palavrão, a par de rezas e ladaínhas reveladoras duma crendice que combina, em partes iguais, o sagrado e o profano.

Da sábia forma como funde o clássico com o moderno, retira “Mendoza” a sua grande força e fascínio. É que não se trata apenas de reinterpretar um texto maior da literatura, algo feito pela enésima vez em teatro. É sobretudo na encenação, na forma como Juan Carrillo se apega ao detalhe, coreografa os movimentos e tira o maior partido da intensidade do brilhante texto - uma adaptação sua e de Antonio Zúñiga -, que reside a marca distintiva desta peça. E há, claro, os actores, rigorosos na forma como encarnam as personagens, convincentes na sua enorme expressividade, comoventes na musicalidade das suas palavras, emocionantes na naturalidade com que interagem com o público. William Shakespeare ter-se-ía sentido arrebatado e orgulhoso vendo como Los Colochos Teatro souberam tratar tão bem o texto original, firmando a ouro uma das mais belas páginas da história do FITEI!


Sem comentários:

Publicar um comentário