Páginas

domingo, 8 de dezembro de 2019

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA: "Like a Bird"


[Clicar na imagem para ver mais fotos]

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA: “Like a Bird”,
de Johanna-Maria Fritz
Encontros da Imagem de Braga 2019
Nova Galeria do Largo do Paço
14 Set > 27 Out 2019


“(...) Sou o pássaro da imaginação
que voa até na prisão
E canta por tudo e por nada
Mesmo com a boca fechada (...)”
[in, “O Pássaro da Cabeça”, de Manuel António Pina]

No âmbito da mais recente edição dos Encontros da Imagem, Johanna-Maria Fritz trouxe à cidade de Braga uma exposição foto-documental onde mostra como a população de regiões em difícil situação política - Irão, Afeganistão, Palestina, Daguestão, Indonésia e Rajastão (Índia) – encontram nas artes circenses uma forma de amenizar o seu conturbado quotidiano. Numa altura em que são mais de 357 milhões as crianças a viverem hoje em zonas de conflito ou muito próximo delas (um aumento de 75% em relação aos 200 milhões de menores que estavam vulneráveis em 1995), este testemunho que nos é trazido pela fotógrafa alemã revela-se particularmente significativo, indo ao encontro da grande interrogação colocada este ano pela organização do certame: “What Now?”.

Em duas dezenas de imagens, Johanna-Maria Fritz documenta a criação de novos fundamentos de vida com base nas capacidades individuais de cada um, no caso concreto explorando o circo como base deste processo. E porquê o circo? Certamente pelo fascínio gerado, de tal forma fecundo que normalmente é tomado, no imaginário, como uma experiência de liberdade. No espectáculo circense o fogo não queima, no trapézio o homem voa, o funambulista vence distâncias equilibrando-se sobre um fio, o equilibrista fica suspenso sobre objectos inusitados, que no dia-a-dia não se prestam a esse fim e os animais selvagens são dóceis. No caso dos acrobatas, a emoção da queda fatal é posta por inteira, para ser superada, no momento seguinte, com o riso do palhaço. O espectáculo circense desloca-se, assim, com facilidade e maestria, entre o riso e a morte.

Carregando no título o testemunho de um menino sobre a sua vida no circo, “Like a Bird” fala-nos sobre palhaços políticos em Gaza, cujo desempenho reflecte o absurdo da vida na linha de frente entre os pobres e o exército de Israel, ao mesmo tempo que nos mostra as escolas de circo que dão às crianças afegãs uma rota alternativa ou nos revela as antigas tradições de andar na corda bamba no norte do Cáucaso. Este trabalho, porém, vai mais longe, estendendo-se àqueles para quem os espectáculos são preparados: o público. Particularmente significativa é a imagem de um grupo de meninas, aguardando na fila pela sua entrada na tenda do Circo Khalil Oghab, o “Hércules da Pérsia”, naquilo que para elas representa uma oportunidade quase única de gozar um momento de liberdade no estrito regime ditatorial islâmico do Irão. Uma exposição que se vê com um nó na garganta, que denuncia, questiona e clama por acções urgentes.

Sem comentários:

Publicar um comentário