Páginas

sábado, 4 de maio de 2019

CONCERTO: "Casca de Noz"



CONCERTO: “Casca de Noz”,
de Miguel Araújo
Fórum Cultural de Ermesinde
02 Mai 2019 | qui | 21:30


Primeiro vem a poesia. Num registo marcadamente intimista, é ela que se derrama da música de Miguel Araújo nesta “Casca de Noz”, a veia inspirada e a sensibilidade deste escritor de canções a debruçar-se sobre os lugares duma infância feliz ou sobre os quotidianos alegres e feitos de aventura e magia, mas também sobre momentos de tristeza e desalento, a dor e a saudade a tomarem conta da vida das pessoas. “Dona Laura”, “José”, “Sangemil” ou “Axl Rose” são apenas alguns exemplos do quanto as letras são peças fundamentais da obra do artista.

Depois vem a música. Sozinho em palco - “Casca de Noz à deriva por entre guitarras, ukeleles, um piano e as minhas canções” -, Miguel Araújo mostra uma qualidade superior enquanto executante, os instrumentos tratados por “tu”. Na mente ecoam ainda os solos de guitarra que pontuam “Readers Digest” ou “E Tu Gostavas de Mim” ou ainda o piano, como uma caricia, envolvendo as palavras de “Lurdes Valsa Lenta”. Música que é também uma amálgama de influências - do projecto “Os Kappas”, dos tios Pedro Sérgio e Luís, aos Guns N' Roses, do “Rei” Roberto Carlos aos “pais” Rui Veloso e Carlos Tê – e que vem alimentando uma quantidade enorme de projectos de artistas bem conhecidos, nomeadamente Ana Moura, António Zambujo, Carminho ou Raquel Tavares.

Finalmente, este “Casca de Noz”, um projecto que nasceu quase espontaneamente, na sequência de um convite feito de véspera para um concerto no auditório da Philharmonie Luxembourg, em 10 de Outubro do ano passado.“Primeira segunda escolha” da organização do evento, Miguel Araújo substituiu Victor Ramil e viu-se obrigado, pelo inesperado do convite, a subir sozinho ao palco. Mas as coisas correram tão bem que a filosofia “a solo” acabaria por vingar, dando lugar à série de concertos que passaram agora por Ermesinde e que aqui encerraram um conjunto de 23 temas interpretados ao longo de quase duas horas. Uma verdadeira “barrigada” de músicas bem conhecidas, magistralmente tocadas e cantadas, numa sala acolhedora, perfeita para os muitos momentos de intimidade que o cantautor fez questão de partilhar com o público. Inesquecível!

[Foto: facebook.com/municipiodevalongo/]

Sem comentários:

Publicar um comentário