Páginas

sexta-feira, 13 de julho de 2018

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA: "Arte Xávega"


[Clicar na imagem para ver mais fotos]

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA: “Arte Xávega”,
de Ricardo Fonseca
Museu Municipal de Espinho
07 Jul > 06 Out 2018


O Museu Municipal de Espinho recebe, até ao dia 06 de Outubro de 2018, uma exposição fotográfica de Ricardo Fonseca alusiva à Arte Xávega. Trata-se dum conjunto de 56 fotografias, todas elas a preto e branco, que ilustram, de forma realista, uma arte única e que, mais do que uma tipologia de pesca artesanal, é um modo de vida enraizado nas comunidades que vivem ao pé do mar e que vão de Espinho à Costa da Caparica. Nelas se pode ver o homem pescador, a mulher peixeira, os filhos que seguem o mesmo rumo, as artes que sustentam a faina, o barco em meia-lua, os pujantes e mansos bois ou a profunda religiosidade ligada à consciência duma realidade de dependência do mar, “que tudo dá e tudo tira”.

Da “preparação para a partida” à “distribuição do peixe”, é perfeitamente perceptível nestas imagens a dureza duma vida de mar, o perigo sempre à espreita, meia dúzia de tostões no final do dia para alimentar um rancho de filhos. Na fotografia de Ricardo Fonseca encontramos a névoa fria das manhãs, o esforço colectivo para vencer a rebentação e levar o barco para o largo, as longas esperas envoltas em silêncio, os bois que se enterram na areia, os gritos de alegria à vista dum lanço bom de carapau, os pregões das vareiras. À dimensão económica e social duma arte considerada “menor”, acrescenta o artista as vertentes cultural e identitária, aproximando o espectador do seu trabalho, dizendo-lhe que, do passado para o presente, vai todo um caminho feito de sonhos desfeitos, de sortes desencontradas, de vidas mal vividas.

Uma palavra ainda para esta exposição como prolongamento dum equipamento todo ele voltado para o mar, pólo aglutinador de gentes que em Espinho se instalaram há pouco mais de duzentos anos, atraídos pela pesca da sardinha. Este pedaço da história encontra uma tradução perfeita no Museu Municipal, situado numa antiga fábrica de Conservas, um dos pontos obrigatórios para quem quer conhecer a cidade. Daí a recomendação aos amantes da fotografia a que visitem esta exposição, mas não esqueçam o resto. Também aí, a fotografia funciona como um importante suporte documental do material expositivo. A não perder!

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Ricardo Fonseca é economista e fotógrafo amador desde os tempos de estudante. Participou em largas dezenas de exposições colectivas e expôs individualmente em várias cidades, nomeadamente, Porto, Matosinhos, Lisboa, Coimbra, Braga, Macau, Maputo, Vigo, Pusan, Seul e Quioto. É autor de vários livros de fotografia e co-autor do livro comemorativo da chegada dos portugueses ao Japão, 450 Anos de Memórias, com texto de Michael Cooper. A exposição “Arte Xávega” resulta de um trabalho realizado em 1973 para a participação no Salão Nacional de Fotografia da Cidade de Espinho organizado pela Comissão Municipal de Turismo, onde obteve vários prémios.

Sem comentários:

Publicar um comentário